sábado, 2 de julho de 2011

Festas e maneyfestações brasilis

Essa é a mais festiva época em nosso país. Em cada região há um festejo popular seja religioso - que de religioso às vezes não tem quase nada, se tem o que celebrar. Um mês voltado para os santos; desde o casamenteiro ao chuvoso, para as comidas típicas, para as ‘baladas caipiras’ que infelizmente de caipira não se vê muita coisa, quando as festas juninas tinham uma beleza e leveza ingênua, hoje se faz com apresentações comerciais de artistas nem tão regionais assim. Se antes as quadrilhas rurais eram simples apresentações de danças, hoje as quadrilhas urbanas fazem que quem dance seja você. Em meio a apresentações festivas, há também as manifestações populares que buscam adquirir direitos. Veja a passeata de religiosos, GLBT e outras, que vai desde a marcha da maconha a coisas relevantes ou insignificantes para o nosso país. Eu tenho receio de que essas marchas , passeatas e manifestações acabem ‘no pão e circo’ prometido a muito tempo para o povo, tirando toda a atenção de coisas mais urgentes e sobrar apenas além ‘do pão e circo’ um ESPETÁCULO.
Que tais manifestações tem todo o direito adquirido pela Constituição é fato, mas ainda infelizmente há uma meia dúzia de “estraga prazeres” colocando merda no ventilador dos participantes e virando um BUM! para toda a sociedade. “Se colocarmos uma lente e vemos mais de perto a manifestação da Consolação, vemos nas calçadas da região coisas inimagináveis para um leitor menos atento ao direito adquirido de tal feito. O que antes era uma luta por seus direitos, virou banalização em seus deveres.” diz um garçom de um dos restaurantes do bairro das imediações. O texto NÃO É E JAMAIS SERÁ contra os direitos adquiridos da busca por seus objetivos na sociedade, ainda mais agora com a palavra do STF. Que todas as manifestações consigam seus direitos e conquistas e, que o país possa com orgulho dizer: EU SOU UM PAÍS DE RESPEITO, e que tenhamos num tempo não tão longínquo, apenas manifestações não de protestos, mas as de rua: como as maravilhosas e coloridas festas juninas de nosso país. Divirta-se!


2 comentários:

Adilson Oliveira disse...

Ótimo texto, Ney! As festas juninas me fazem voltar à infância e à Bahia.
Meu pequeno abraço de sentimentos gigantes!

Professor Henrique disse...

Ney Melo, amigo. Quero parabeniza-lo pela forma com que flui o pensamento em linhas. Sua fluidez é fantástica!